Autoconceitos Real e Ideal do Consumidor: Uma Relação Direta com a Renda?

Joyce Gonçalves Altaf, Irene Raguenet Troccoli, Jesús Domech Moré

Resumo


Este artigo busca entender o grau de semelhança entre os autoconceitos real e ideal do consumidor homossexual masculino brasileiro e sua faixa de renda, ancorando-se nos seus hábitos de consumo de vestuário de marcas de luxo e utilizando a abordagem fuzzy. Ele possui cinco etapas: a) revisão bibliográfica sobre os tópicos abordados - características deste público consumidor, os principais traços do mercado de produtos de luxo, a Lógica Fuzzy e a teoria do autoconceito aplicada ao Marketing; b) entrevistas em profundidade com 12 sujeitos representativos desta subcultura; c) aplicação de formulário com escala semântica destinada a medir os autoconceitos ideal e real dos respondentes, este último via a associação com o consumo da marca de luxo preferida pelo entrevistado; d) aplicação da Lógica Fuzzy aos resultados obtidos desta mensuração, obtendo-se o grau de semelhança que haveria entre os dois autoconceitos; e e) avaliação da relação entre o espectro destes 12 graus de semelhança apurados e as respectivas faixas de renda dos respondentes. As implicações desta pesquisa são apresentadas ao final, concluindo-se que não há uma relação direta evidente entre o grau de convergência entre os dois autoconceitos e as respectivas rendas dos respondentes.


Palavras-chave


Autoconceito; Comportamento do Consumidor Homossexual Masculino, Lógica Fuzzy.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13059/racef.v3i2.45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2178-7638