Formação Integrada para Sustentabilidade: impactos e caminhos para transformação

Ana Carolina Pires Aguiar, Fernanda Carreira, Vicente Lourenço de Góes, Mario Prestes Monzoni Neto

Resumo


Frente ao desafio do desenvolvimento sustentável, aumentam as iniciativas de incorporar a sustentabilidade na educação em geral, e nas escolas de negócio em particular. Entretanto, mais do que a inserção curricular do tema, a complexidade dos problemas contemporâneos pede um repensar da educação, por meio de modelos que integrem o sujeito ao seu meio e às diversas formas de conhecimento, há muito fragmentadas pelo pensamento disciplinar moderno. O objetivo deste artigo é apresentar o estudo de caso do FIS (Formação Integrada para Sustentabilidade), disciplina da FGV-EAESP que segue um modelo transdisciplinar e foi inspirada no PRME (Principles for Responsible Management Education). A partir das percepções de impacto de alunos e ex-alunos do FIS, o estudo levanta insights sobre as possibilidades de transformação individual que um espaço de experimentação livre e contextualizado pode permitir dentro de uma escola de negócios, assim como os desafios encontrados neste processo.


Palavras-chave


sustentabilidade, educação, PRME, transdisciplinaridade, teoria U

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13059/racef.v7i3.396

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2178-7638