Desmutualização, Abertura de Capital e Fusão da Bovespa e BM&F: uma Análise das suas Vantagens, Desvantagens e Consequências

Kelma Rodrigues Bichara, Marcos Antônio de Camargos

Resumo


Seguindo uma tendência mundial de busca por competitividade, avanços tecnológicos e principalmente de atuação, o segmento de bolsas de valores está se reestruturando para atender à dinâmica do mercado mundial, caminhando em direção à sua consolidação. O objetivo deste artigo é analisar as vantagens, desvantagens e conseqüências da desmutualização, da abertura de capital e da fusão da Bovespa e BM&F. Trata-se de um estudo de caso múltiplo, descritivo, conduzido por um enfoque qualitativo no qual se utilizou principalmente, de dados secundários obtidos por pesquisa documental nos prospectos de abertura de capital e sites das instituições pesquisadas e imprensa especializada. Argumenta-se que, se por um lado, as transformações organizacionais implantadas pelas duas bolsas, apesar de terem acarretado no aumento dos custos e despesas da abertura de capital e manutenção como companhia aberta; por outro, resultaram em uma instituição com poder tecnológico, operacional e financeiro com potencial de expansão local, por meio da oferta de novos produtos e serviços, e regional, por meio de aquisições de outras bolsas na América Latina. Além disso, consolidou o segmento bursátil do país. 


Palavras-chave


Desmutualização, Inicial Public Offering, Fusão, Bolsas de Valores

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13059/racef.v2i2.34

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2178-7638