Projetos & Pesquisas


INDICADORES DE PERCEPÇÃO • RIBEIRÃO PRETO (Dez/2009 a Fev/2010)

Três setores dominam listas de compras.

Categoria:

Indicadores Econômicos

Pesquisador(es):

Prof. Dr. Cláudio de Souza Miranda

Extraído de: Gazeta de Ribeirão

Clique aqui para ter acesso aos números da pesquisa.



Três setores dominam listas de compras

Vestuário, calçados e brinquedos encabeçam preferência para o Natal em RP, diz pesquisa


Os segmentos de vestuário, calçados e brinquedos são os principais focos de compra, para os próximos três meses, dos consumidores de Ribeirão Preto ouvidos pela pesquisa da Fundace em parceria com a Acirp, divulgada o­ntem. De acordo com o estudo, 73,5% dos entrevistados comprarão roupas durante o final deste ano e nos dois primeiros meses de 2010; sapatos estão em segundo lugar com 62,5% das intenções de compra e brinquedos em terceiro, com 35,8%. O levantamento revelou ainda que o cartão de crédito é a forma preferida de pagamento dos consumidores.

A Pesquisa de Intenção de Compra dos Consumidores (PICC) ouviu 742 pessoas da cidade no mês passado. Em relação à intenção de compras, os produtos que foram beneficiados com programas de incentivo do Governo Federal durante a crise são os menos visados, como a linha branca —apenas 10,8% de intenção. Os automóveis serão prioridade de compra para 8% das pessoas. “São itens já adquiridos com a isenção do IPI. Para os próximos meses, e principalmente o Natal, a tendência está para o vestuário e brinquedos mesmo”, disse José Carlos Carvalho, presidente da Acirp.

Dos 15 itens pesquisados, oito deverão ser comprados preferencialmente no Centro. “É mais prático fazer compras no Centro”, disse a estudante Livia Guiraldelli da Silva, 21. Para as compras de até R$ 100, a preferência do consumidor é pelo dinheiro, 65,1%. Já para valores acima, o cartão de crédito é o preferido, 65,6%. “E os homens preferem o cartão e dinheiro, já as mulheres optam por crediários e cheques a prazo”, disse Cláudio Miranda, da Fundace.

A perspectiva dos consumidores para os próximos seis meses também são otimistas —66% disseram acreditar que a sua situação financeira estará melhor. (RS)